NÃO QUERO…

lua

Eu não quero

Que esta noite acabe.

Do nada me desespero,

Mas do meu amor, só você sabe.

Roubar o teu coração,

Ou, apenas ficar te olhando.

Beijar-te com emoção,

Esperar-te sonhando…

Respirar no mesmo compasso,

Transbordar sensações.

Acompanhar os teus passos,

Transpirar inspirações.

Única imagem que desejo,

Fixar meus olhos nos teus,

Incendiar teu coração com um beijo,

Quero teus sonhos junto aos meus.

Eu não quero

Que deste sonho acorde,

Ou suma da sua memória.

Desejo que seja infinita,

Que seja iluminada eu quero,

Esta noite apenas se recorde,

Da nossa história,

De toda uma vida,

A mais bonita…

 

GILBERTO CAMPOS…

Anúncios

O CORAÇÃO NÃO DISFARÇA…

O tempo

Grande brincalhão,

Sorrateiro como o vento,

Vem e bagunça o coração.

Faz o que deseja,

Nos deixa tonto,

Nos tira o chão.

Como um raio lampeja

Em meio à escuridão.

Sei lá como aconteceu,

Juro, não sei por que o coração aperta.

Voltou algo que nunca morreu,

Quando do coração, deixei a porta aberta.

O que fazer?

Essa pergunta não me faça.

Hoje só quero viver,

O que o coração não disfarça.

GILBERTO CAMPOS…

LEALDADE

 

Relembro meu passado

Onde estive vagando.

Berro ao mundo cansado,

Enquanto sigo caminhando.

Relembro meu passado pouco distante,

Trago a tona emoções,

Amores, paixões, sentimentos constantes,

Tudo gerado em frações.

Única certeza: fui leal.

Fiz o que meu coração mandou.

Incertezas, dúvidas, mundo real,

Coisas que o coração guardou.

Sim prezei a lealdade,

Lealdade aos sentimentos,

Ao que senti:  minha realidade.

Entreguei-me aos doces momentos,

Em que fui feliz de verdade.

Em meu mundo real,

Ao meu coração fiz feliz.

Aos meus sentimentos fui leal,

Jamais me arrependerei do que fiz…

GILBERTO CAMPOS…

ME PERSEGUE…

Rouba-me a paz

Ocupa meus espaços

Busca pelo que não tenho mais,

Estou perdido em meu cansaço.

Rouba-me os sonhos,

Todos jogados ao chão.

Agora apenas suponho,

Ter tudo sido em vão.

Única me faz sofrer,

Fico preso aos desejos.

Inquieto, aturdido, querendo morrer,

Querendo dos teus lábios seus beijos.

Porque me persegue assim,

Como se fosse criança,

Não tem como ter fim,

Afinal te chamas lembrança.

GILBERTO CAMPOS…

CORAÇÃO RELICÁRIO…

A vida segue,

Não para nunca.

Imagens me perseguem

Marcando de maneira profunda.

Outras vidas,

Outra dimensão,

Certeza, apenas, que esta ferida,

Há tempos dilacera o coração.

Olho para o infinito

Pensando o porquê deste turbilhão,

Não encontro resposta para o grito

Que ecoa forte no coração.

Coração solitário,

Coração bandido,

Coração vagabundo.

Coração relicário,

Guardando este amor,

O mais lindo deste,

E de todos os outros mundos.

GILBERTO CAMPOS…

 

VOCÊ PENSA…

9

Então, você consegue sorrir,

Achando que de tudo pode saber.

Que consegue distinguir

Minha felicidade e o meu sofrer.

Acha que sabe de tudo o que preciso,

O que desejo, o que é eterno…

Meu sossego, meu paraíso,

Meu céu azul, ou o meu inferno.

Você acha que consegue distinguir?

Mentiras, mudanças, sentimentos,

Como eu queria poder te seguir,

Como eu queria de volta nossos momentos.

Como eu queria

Que você estivesse aqui.

Como eu queria…

Hoje separados

Somos apenas duas almas perdidas,

Evitando contatos,

seguindo nossas vidas.

E assim, ano após ano, seguiremos.

Correndo sobre o mesmo velho chão,

Não esqueceremos o que vivemos,

Novas marcas, em um velho coração.

GILBERTO CAMPOS…

VOCÊ É COMO O VENTO…

ELA E O VENTO

Você é como o vento

A sussurrar em meus ouvidos.

Mesmo distante estás perto de mim.

Você me guia sob a luz do luar

Fazendo-me viajar no tempo,

Aguçando meus sentidos,

Fazendo-me flutuar.

Você já tem meu coração,

E todos os pensamentos meus,

Sabe de todos os meus desejos.

Sinto em meu rosto tua respiração,

Teu corpo junto ao meu,

Teus doces beijos.

Mesmo sem teu olhar

Consigo sentir a felicidade

Apenas um tolo para não acreditar

Que isso não seja amor de verdade.

Você é como o vento

Trazendo boas notícias.

Transformando meu tempo

Antes cercado de malícias.

Você é como o vento

Fazendo-me doces carícias.

GILBERTO CAMPOS…